domingo, 16 de agosto de 2015

Das manifestações de hoje


Gibson da Costa


Há dois espaços hegemônicos para a manifestação de insatisfação política no Brasil pós-06/2013: as “redes sociais” e as ruas – as urnas não, já que parecem ter se tornado apenas um depósito de obrigações, levando em consideração que a maioria dos candidatos é conhecida por não cumprir promessas e grande parte dos eleitores como compradores das mesmas. [Taí, queria ver uma grande manifestação de protesto contra os políticos profissionais com uma greve de eleitores no dia das eleições! Isso, sim, seria uma manifestação que gostaria de ver!]

O que há de comum entre as “redes sociais” e as ruas é que, frequentemente, são o palco da intolerância ao inconformismo alheio. Se quiser confirmar o que digo, você só precisa externar uma ideia oposta a quem lhe lê ou ouve e prontamente será (des)qualificado com adjetivos que carregam, em seu bojo, o ódio de seu adversário ao inconformismo de ideias. Conheço isso de perto e, talvez, melhor do que qualquer um, porque já fui alvo de ataques verbais dos dois[?] grandes lados das manifestações do Brasil neste período pós-06/2013 até hoje. [É bom até já ir me preparando para ler certas mensagens que receberei como resposta a este texto!]

O que me fascina na prática de todos os manifestantes é seu apelo àquele deplorável costume antiquíssimo, já dominante desde, pelo menos, o cenário político dos antigos romanos: não basta atacar as ideias de seus adversários, você tem de atacá-los pessoalmente, tem de desqualificá-los enquanto indivíduos. O debate de ideias perde para o devaneio emotivo, já que se entregar à semi-irracionalidade das emoções – e “semi-” porque as emoções nem sempre são irracionais – é mais fácil que se engajar num diálogo. Assim, é mais fácil adjetivar pejorativamente adversários do que apontar o que pensamos estar errado em suas ideias ou ações.

Todos os grupos ativistas, infelizmente, fazem isso. Os anti-Rousseff fazem isso com os pró-Rousseff. Os pró-Rousseff fazem isso com os anti-Rousseff. O movimento gay faz isso com a bancada religiosa no Congresso. A bancada religiosa no Congresso faz isso com o movimento gay. Os evangélicos fazem isso com os católicos. Os católicos fazem isso com os evangélicos… E o deplorável monólogo desqualificante continua ad infinitum!

Esse é um erro coletivo do qual todos somos, até certo ponto, cúmplices. Mesmo que inconscientemente, se aceitamos essa prática ou dela participamos, contribuímos com o caos do desentendimento.

Como já escrevi e disse várias vezes, discordo do alvoroço pró-impeachment até que haja (se houver) provas contra a Presidente da República. Sou contrário a inúmeras das ideias defendidas pelos manifestantes brasileiros hoje. Desconfio das intenções de alguns dos que se autoproclamam líderes dos movimentos de hoje no Brasil – alguns deles, que conheço pessoalmente, provavelmente têm intenções eleitorais para o ano que vem e se aproveitam da situação para se autopromover, ludibriando alguns de seus seguidores. Isso, entretanto, não desqualifica o fato de que muitos brasileiros manifestaram sua insatisfação com o estado das coisas.

O fato de manifestantes terem um background socioeconômico mais elevado não os desqualifica como cidadãos ou eleitores. O fato de cidadãos da dita “classe média” baterem panelas ou carregarem faixas, como protesto, não pode ser racionalmente visto como sinônimo de “golpismo” ou “fascismo”, como querem os partidários do Governo. Mesmo a infelicidade de estarem defendendo ideias com as quais não concordo não os desqualifica como cidadãos. Não tenho absolutamente nada contra esses cidadãos – muito pelo contrário!

Como escrevi acima, e em outras ocasiões, não confio em seus líderes, nem em algumas das ideias que defendem. Penso que o fanatismo de muitos deles não difere em nada daquele dos governistas que atacam opositores, como eu, com adjetivos como “reacionário” e “fascista” – que, infelizmente, enchem minha caixa de e-mail todos os dias. Mas, fico feliz em ver pessoas se manifestarem – especialmente se não houver a desordem e o desrespeito ao patrimônio público que marcaram as manifestações do verão de 2013.

Não sairia eu em manifestações como essas por uma série de razões ideológicas. A mais importante delas concerne ao fato de eu ser contrário ao movimento pró-impeachment que, no Brasil, tem sido usado – desde o período Collor – como uma arma de capricho político das oposições que renunciam a única arma que deveria ser utilizada na política democrática: o debate de ideias. Essa é a principal razão pela qual não tomaria parte em tais movimentos – prefiro não ter minha imagem associada a movimentos que defendem ideias das quais não partilho, mesmo que, em se tratando do manifestante comum, aplauda sua participação cidadã.

Como um liberal democrata, eleitor da oposição atual, crítico do Governo Rousseff, que acredita na obrigação de o mesmo (e de qualquer outro) ser fiscalmente responsável e estar limitado pela lei em seu modus operandus, já fui acusado por ativistas pró-Rousseff de ser um “reacionário fascista”!

Contudo, por ser um liberal democrata, comprometido com o Estado de Direito e com a democracia liberal; por acreditar no processo justo e na inocência até que se prove a culpa; e, consequentemente, me opor a um clamor por impeachment da Presidente antecipado ao justo processo; sou qualificado pelos ativistas anti-Rousseff como “comunista” (você teria de entender o peso semântico do termo para esses ativistas!), “aliado dos corruptos”, ou – como um dos líderes do movimento em Recife escreveu-me recentemente, após me manifestar contrariamente ao movimento “impeachmentista” – como alguém comprometido com o projeto de permanência da “esquerda” no poder!

E aí a política se resume ao lançamento de desqualificativos ao “outro lado”. E, no fim. Todos perdem!

Para finalizar, é importante que eu deixe algo muito claro. Não acredito no “Brasil”. Não amo o “Brasil”. Não espero nada do “Brasil”. E isso porque o “Brasil” – como essa entidade etérea presente em refrões e faixas – não existe! O “Brasil” são os brasileiros; e neles, sim, acredito; eles, sim, amo; deles, sim, espero muito.

E seria muito legal e recompensador descobrir, um dia, que os brasileiros aprenderam a dialogar, e não simplesmente a atirar adjetivos desqualificadores uns contra os outros!


O Brasil de ontem e de hoje

Gibson da Costa Em 2013, incendiaram as ruas, em protestos contra a corrupção e o descaso. Em 2014, votaram absolut...