Eu, um "fascista"? Sério mesmo?!


Gostaria que me apontassem onde, exatamente, utilizei “linguagem inapropriada” para me referir aos eleitores de Dilma ou do PT? Onde deslegitimei a democracia, dizendo que a “escolha da maioria foi comprada”? Onde agi como “um fascista”?... Essas acusações, que me foram feitas por mensagens por e-mail e nas redes sociais, só demonstram que: 1) meus acusadores nunca leram nada que escrevi; ou 2) não compreenderam o que escrevi.

Tenho, repetidamente, escrito sobre moderação, criticando a campanha que foi feita. Sim, critiquei certos grupos, por serem eles os mais vocíferos e por ocuparem eles as posições de poder – mas o fiz porque acredito que certas posições exigem maior responsabilidade de seus ocupantes.

Critiquei atitudes. Critiquei argumentos. Critiquei manipulações. Critiquei mitos. Critiquei messianismos. Critiquei violências. E, claro, externei minhas posições.

Defendi, apaixonadamente, a liberdade e a democracia liberal. O que você esperaria de mim, afinal de contas?

Dizer que “deslegitimo a democracia” é uma acusação ridícula. Dizer que sou um “fascista” é ainda pior. E utilizar meus argumentos para defender qualquer coisa que seja contrária ao que acredito é uma desonestidade e uma violência contra minha integridade intelectual.

Os brasileiros, como previ incontáveis vezes, reelegeram a Presidente Dilma Rousseff. E isso é a democracia como a entendo. Ver a maioria – mesmo que essa maioria fosse composta por apenas um eleitor – derrotar eleitoralmente a minoria é a democracia. E são idiotas aqueles que dizem o contrário, ao menos em nosso sistema eleitoral (com tribunais eleitorais, e observação partidária, de representantes internacionais e da imprensa). Eu acredito nas instituições democráticas de direito. Rejeito a idiotice que afirma ter havido fraudes, ou que chama à secessão.

Então, antes de fazerem essas acusações, leiam o que escrevi sobre as eleições. Não poderão pensar que alguém possa ser mais democrático que eu, em meio a toda aquela baixaria que reinou no mundo virtual. Poderão me acusar de sarcasmo e ironia contra todos, mas nunca de celebrar ou incitar nada além da liberdade democrática!

Viva a democracia!

Gibson

Postagens mais visitadas deste blog

Mais uma possível fraude contra os sonhadores desatentos

Mais um capítulo da "everlasting story" eleitoral brasileira

Os nazistas eram socialistas?: uma brevíssima resposta